Seguidores

Dieta 21 Dias

Negócio na internet

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

AVC democrático e hemorragias de ódio


A reação dos nossos conservadores protofascistas à doença e à morte de Dona Marisa Letícia, bem como ao discurso de Lula em seu velório, extrapolou tudo o que se tinha visto até aqui.

Decididos a desconstruir a maior liderança popular da história do Brasil, a única capaz de se opor ao golpe, instauraram um vale-tudo jurídico e ético que faria corar Roland Freisler, o "juiz do Terceiro Reich". Como muitos juízes tupiniquins de hoje, Freisler colocou a justiça a serviço da causa da "limpeza da Alemanha". Como eles, Freisler desconsiderava o direito à defesa e se comprazia em humilhar seus acusados, em julgamentos midiáticos que atraiam a opinião pública ávida por linchamentos de "comunistas e judeus".

Com esse vale-tudo absurdo, transformaram pedalinhos, um barco de lata e um apartamento nunca comprado em provas irrefutáveis do "maior esquema de corrupção da história do país". A cretinice dessas acusações salta aos olhos de qualquer pessoa de QI mediano e um mínimo de isenção. Na realidade, essas investigações e acusações têm o mesmo valor de fofocas mirabolantes que circulam as redes sociais, as quais afirmam que Lula é bilionário e que seus filhos são donos de quase todas as grandes empresas do país. A diferença é que essas acusações têm carimbo oficial. Foi com base nelas que Lula e Dona Marisa foram humilhados até dentro de sua própria casa, no incrível episódio da "condução coercitiva" desnecessária e ilegal.

Quando pessoas aparentemente normais vão às portas de hospitais para celebrar o sofrimento alheio e pedir a morte de adversários políticos, isso é sinal inequívoco de que algo muito importante morreu no Brasil.

Quando médicos que fizeram o juramento de Hipócrates vazam criminosamente exames, sugerem métodos para acelerar a morte de paciente e tripudiam de seu sofrimento e de seus familiares, é sintoma inequívoco de que o país está acometido de grave doença. Uma espécie de sociopatia politicamente motivada, que nega ao outro qualquer traço de humanidade.

Politizaram com requintes de crueldade a vida privada da Dona Marisa. Politizaram seu sofrimento, sua doença. Politizaram até a sua tomografia. E, agora, se queixam de que Lula fez um desabafo no velório. Segundo eles, Lula não pode falar nem no velório da sua esposa. Tem de ficar caladinho e aguentar passivamente a caçada judicial a que ele e sua família são submetidos. Só os protofascistas podem vociferar seu ódio, sua ignorância, sua sociopatia demente. Só eles têm direito a se expressar, com estridência e crueldade.

Felizmente, Lula não se calará. Não se vergará a esse ódio insano.

Lula representa tudo o que eles odeiam mais. Lula é aquela pobre criança do sertão nordestino que deveria ter morrido antes dos 5 anos, mas que sobreviveu. Lula é aquele miserável retirante nordestino que veio para São Paulo buscar, contra todas as probabilidades, emprego e melhores condições de vida, e conseguiu. Lula é aquele político que não devia ter criado, em plena ditadura militar, um novo partido independente de esquerda, mas criou. Lula é aquele candidato que não devia ter chegado ao poder, mas chegou. Lula é aquele presidente que devia ter fracassado, mas teve êxito extraordinário.

Lula é o excluído que devia ter ficado em seu lugar, mas não ficou.

Para eles, Lula não deveria existir, mas existe.

Existe e não será jamais amordaçado, acorrentado ou extinto. Ao contrário dos golpistas e dos líderes midiáticos de ocasião, que se nutrem do ódio, Lula mora no coração do povo. Lula se nutre da esperança de dias melhores em um Brasil para todos. Inclusive para os que o odeiam. Por isso, Lula já é eterno. Ao contrário de Getúlio, entrou para a História em vida. Não pode mais ser derrotado.

O Brasil foi acometido de um AVC democrático. Nos corações e mentes de muita gente jorram rios de ódio que ameaçam nos afogar a todos. Estamos doentes.

Lula é uma das poucas lideranças, talvez a única, que pode estancar essa terrível hemorragia e fazer o Brasil se reconciliar.

2 comentários:

  1. Foram 8 anos de um verdadeiro mar de rosas. A estrela vermelha do PT sorria, porque ela estava sendo filmada. Neste período ela viveu sua terceira lua de mel e morava no Palácio da Alvorada, charme , poder e bajulação não lhe faltavam... Só que, de uns tempos pra cá a coisa deu pra trás. Após ter vivido quase uma década de extrema felicidade, gozando das benesses do poder e assistindo à projeção financeira dos filhos, conforme nos conta a jornalista Amanda Acosta, não é que a coisa degringolou-se, desandou, desmoronou-se... A situação atual era péssima para Marisa Letícia. O momento familiar havia tomado um rumo inesperado. Os filhos atravessavam uma fase muito ruim, em diversos aspectos. O mais velho, Marcos Cláudio, enteado de Lula, segundo fonte que gozava de convivência com o rapaz, estava extremamente entristecido, com depressão e recusando tratamento. A derrota eleitoral na eleição que disputou em São Bernardo do Campo estava remoendo sua autoestima. Candidato à reeleição para a Câmara Municipal, sofreu uma fragorosa e inesperada derrota na cidade berço da PUTADA ESQUERDOPATA PETRALHA. Fábio Luiz, o “LULINHA”, o primogênito de sua união com o Seboso de Caetés, estava cambaleante nos negócios e vivendo uma difícil situação conjugal com a esposa. Ela, inclusive, declarada desafeta da sogra, como mafirma a jornalista Amanda Acosta. O caçula, Luiz Cláudio, o LULECO, alvo da ‘Zelotes’, havia se refugiado no Uruguai. Era o ‘xodó’ da mãe. Além desses fatos, é óbvio que os problemas jurídicos também traziam angústia para Marisa Letícia. Ela odiava a operação Lava Jato. Na realidade, tinha plena consciência que o marido estava enfrentando sérias dificuldades, que fatalmente respingariam nela própria. A família estava totalmente desestruturada. Marisa realmente estava triste, por isso a mudinha, se foi.... Morreu feito bagaço de cana ao ser triturada pela ladroagem desenfreada do marido e dos filhos Lulinha e Luleco. No frigir dos ovos, Dona Marisa Letícia não veio a morrer de AVC, de aneurisma cerebral ou coisa que o valha. Ela bateu a caçoleta foi de um MAL chamada BANZO. Isso mesmo, BANZO!!! Doença causada pela nostalgia mortal dos negros da África, quando embarcavam naqueles navios negreiros e ficavam ausentes para sempre de suas tribos e seus familiares no seu país de origem. Já pensou quanto desgosto, dissabores e as agruras que ela passou nesses últimos passou nesses últimos anos, casada com um RATO DE ESGOTO que faturava 400 paus por cada “palestra de araque”, às vezes chegava até 1 milhão!!! E ainda por cima, dois filhos que um é um dos donos da Friboi e possui 10 mil cabeça de gado no Goiás, e o outro empresário mutreteiro de futebol americano, onde nasceram na bosta na periferia de São Bernardo. Eu acho que a coitada estorou pelas costas, feito cigarra...

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Raimundo por publicar esta matéria. É preocupante o que o Brasil está vivendo, foi assim que nasceu e sobreviveu durante anos na Alemanha o nazismo, sustentado por uma ideologia de ódio, aplaudida por muitos alemães, inclusive por cristãos, indo de desencontro com os preceitos evangélicos. Não podemos aceitar estas sementes do mal.
    Agostinho Cordeiro

    ResponderExcluir

Comente aqui!
Lembre-se: comentários com acusações, agressões, xingamentos, e que citem nomes de familiares de quem quer que seja, não serão publicados.

Opine com responsabilidade!

linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...