Seguidores

Dieta 21 Dias

Negócio na internet

domingo, 11 de junho de 2017

Histórias de Capoeiras; Devoto do Padre Cícero dá os nomes de Cícero e Cicera a seus onze filhos


UM HOMEM DE FÉ E OS CÍCEROS DE CAPOEIRAS 

Por Junior Almeida 

Como alguns amigos devem saber, eu estou preparando um novo livro, com o título provisório de OS CAUSOS DA MINHA TERRA, que vai falar das histórias da nossa gente. Algumas tristes, outras engraçadas e também algumas crônicas de minha autoria. Personagens marcantes para mim e para a cidade também terão seu espaço nesse novo trabalho. Já publiquei alguma coisa por aqui. O texto abaixo é sobre um cidadão, capoeirense da gema, que com sua simplicidade e bom humor, dá um exemplo de vida e de fé para todos. Vamos ao relato:

Corria 1961. Na região do Sítio Riacho do Mel em Capoeiras, moravam os jovens recém-casados Arlindo José e Ana Tavares. Ele então com 20 anos chamado por todos de “Golinha”, por ser filho do caçador com a alcunha “Zé Rolinha”, e ela com 19 anos com o carinhoso apelido de Nininha. Como tantos casais do campo, Golinha tirava o sustento na lida da roça, e sua esposa como boa dona de casa. Desde que casaram, os dois planejavam ter filhos, mas Nininha não conseguia engravidar. Ela com frequentes hemorragias combinou com o marido, e resolveram procurar um médico. 

Foram à Garanhuns. Lá o profissional de saúde examinou a paciente, e disse não ter jeito a dar ao problema de Nininha. Estranho diagnóstico esse, e logo na primeira consulta. Mas se a saúde pública já não é lá essas coisas hoje em dia, imaginem nos anos sessenta e ainda mais no interior de uma cidade nordestina. O casal desanimou. Ao final da consulta, o doutor deu um conselho ao casal: disse que esses fizessem uma promessa com o “Padim Ciço” pra Nininha ficar boa, e se isso acontecesse, e ela conseguisse engravidar que colocassem o nome do filho de Cícero. Não dá pra saber se o médico era devoto do padre cearense ou se apenas zombou do casal de roceiros, mas o fato é que Arlindo seguiu o conselho e fez a promessa, indo além. Não só o primeiro filho iria homenagear o Patriarca do Juazeiro, mas todos que nascessem daquela união iriam ser batizados por Cícero ou Cícera. 

Pouco tempo depois Nininha sarou. Ficou completamente curada das hemorragias e pode assim realizar o sonho de ser mãe. Em 1962 nasceu o primeiro Cícero da família, José Cícero. O tempo foi passando e o casal seguindo com sua vida. Como manda a tradição matuta, um filho a cada ano, e em 1970 Golinha e Nininha já tinham sete, todos com o nome de Cícero. Ano ruim pra lavoura. A seca acabava com tudo. Muita gente abandonou tudo e foi tentar a sorte em outras paragens. Muitos trocavam suas poucas terras em passagens nos paus de arara pra São Paulo. Muitos donos de caminhão enriqueceram com essas viagens, às custas da miséria alheia. 

Golinha não sabia mais o que fazer pra dar o “de comer” para sua família. Eram nove bocas pra alimentar, e o roçado estava perdido. Decidiu então ir ao povoado Riacho do Mel, tentar algum emprego com Gedeão Rodrigues, homem de posses no lugar. Esse disse não poder atender Golinha, pois como ele mesmo sabia, as coisas estavam ruins para todos. Gedeão então sugeriu que esse fosse procurar seu irmão Joaquim de Neco, que com muitas terras e mais um fabrico de queijo, talvez lhe arrumasse um trabalho. Joaquim se compadeceu com a situação, mas também não podia fazer nada pelo amigo. O chamou à parte, e disse-lhe que estava naquele momento com oito empregados, mas infelizmente teria que demitir cinco. Golinha apenas baixou a cabeça. Sabia que o fazendeiro tinha razão. 

Nesse período de só comer praticamente comida feita com o fubá de milho, como cuscuz, e angu, outro fato aconteceu que ajudou a Golinha alimentar sua família: Mais uma vez o Padre Cícero aparece na vida do casal. Em sonho, Golinha ouviu do próprio “Padim”, que armasse umas aratacas, pegasse uns preás e desse de comer aos seus. Golinha assim fez, e fez seis armadilhas. Armava de manhã, antes de ir pra lida, e mais tarde era só ir apanhar os bichos presos nas aratacas. Golinha disse que era uma fartura. Coisa de Deus mesmo. 

Em 1972 nasceu mais dois filhos do casal. Os gêmeos Cícero Paulo e Cícera Aparecida. Mais um tempo e nasceu outro menino: Cícero Jorge. Um problema de nascença no menino fez com que o agricultor rezasse pedindo a Padre Cícero que curasse seu filho, que tinha os dois pés aleijados. Mais uma vez as preces de Golinha foram ouvidas, e o menino ficou curado. Em agradecimento ao Santo do Cariri, Golinha e Nininha foram ao Juazeiro do Norte, onde deixaram uma mecha do cabelo de Cícero Jorge, chamado por todos de “Dó”. Na lápide do túmulo do Padre Cícero, chamado pelos romeiros Santo Sepulcro, o casal deixou o cabelo do filho curado e rezou de joelhos em agradecimento por mais uma graça alcançada. Na data deste texto, Golinha e Nininha estão para comemorar bodas de ametista, são 55 anos de união abençoada por Deus, e porque não pelo Padre Cícero. Do casamento dos dois, onze Cíceros vieram ao mundo. São eles: José, Heron, Paulo, José Irmão e Jorge. As Cíceras são: Vera, Luzia, Raimunda, Fernanda, Madalena e Aparecida.

Junior Almeida e autor do livro: "A Volta do Rei do Cangaço". Reside na cidade de Capoeiras - PE, onde é comerciante. 
O texto foi compartilhado numa rede social.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui!
Lembre-se: comentários com acusações, agressões, xingamentos, e que citem nomes de familiares de quem quer que seja, não serão publicados.

Opine com responsabilidade!

linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...