Seguidores

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Justiça condena Lula e no mesmo dia solta Gedel



É simbólico que no mesmo dia que a justiça liberta Geddel, condene o maior líder popular do país, é sintomático que enquanto Aécio retoma suas atividades políticas, juízes interfiram no processo eleitoral da nação, é hediondo que apenas um dia após sacrificarem toda a classe trabalhadora brasileira, sacrifiquem também o indivíduo que mais lutou em sua defesa.

Vivemos tempos estranhos que revelam muito da sociedade que nos tornamos. Ou que voltamos a nos tornar. É desolador o fato do obscurantismo nos espreitar a cada geração.

Desde a cicuta que em num entardecer Sócrates bebia, desde que num crepúsculo um justo sentia na carne o peso dos cravos, desde que em praça pública Tiradentes era enforcado e esquartejado, o poder, a intolerância e a injustiça nos condenam.

Marco Túlio Cícero, o célebre político, filósofo e orador romano uma vez disse que “um juiz iníquo é pior do que um carrasco”.

Moro, no seio de uma das mais abjetas conspirações políticas de nossa República, cumpriu o papel que lhe foi destinado pelas forças a que se deixou subjugar: o de juiz iníquo.

Lula, que viu sua mulher ser assassinada pelas mesmas pessoas que ora o condenam, sabe que a sua história não é só sua, mas de todos os grandes líderes mundiais que ousaram subverter a lógica do capitalismo.

Ombro a ombro, poderia proferir com justiça e extrema exatidão, as mesmas palavras pronunciadas por Nelson Mandela ao tribunal que o acusou de incitamento no ano de 1962. Proferiu Mandela:

“Eu fui considerado, pela lei, um criminoso, não por causa do que eu tinha feito, mas pelo que eu representava, por causa do que eu pensava, e por causa da minha consciência”.

Lula, como Mandela, foi condenado por tudo o que representa, por tudo o que pensa e por toda a sua consciência. Não é Lula, o homem, que foi condenado, mas a sua ideia, a sua esperança, a sua razão de existir: a justiça social.

Por tudo isso, não seria menos justo e exato que Lula pronunciasse aos seus carrascos, a memorável frase de Giordano Bruno prestes a ser consumido pelas chamas da inquisição:

“Vocês estão com mais medo da sentença que proferiram, do que eu, que por ela serei supliciado”.

A história se repete. Sérgio Moro e Lula representam dois lados que durante séculos se digladiam. Independente de tudo o que ainda estar por vir, essa mesma história, que tudo presencia, já cuidou de julgá-los.

2 comentários:

  1. E haja provas, provas, provas e mais provas... Um país roubado, humilhado, e arrombado por 13 anos seguidos, na bancarrota causada pelo lulopetismo escroto e não existem provas, ora bolas!!! No mundo da mentira petralha, em terra de cegos, quem tem 9 dedos (e 9 anos de condenação nas costas), é "REI".

    P.S. : - Farto material probatório. Sentença excelentemente embasada pelo Dr. Juiz de Direito. Até um pouco amena. Na verdade, não foi somente condenatória, foi também absolutória. E tem mais : Nove dedos ainda é réu em outros 5 processos... É DEVAGAR, DEVAGARINHO QUE A CABEÇA DA JARARACA DO GRELO DURO ESTÁ SENDO ESMAGADA...

    ResponderExcluir
  2. Todos os politicos são ladrao quere prende lula porque sabe quele ganha as eleição de 2018

    ResponderExcluir

Comente aqui!
Lembre-se: comentários com acusações, agressões, xingamentos, e que citem nomes de familiares de quem quer que seja, não serão publicados.

Opine com responsabilidade!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...